5.8.07

Hino à Fotografia - Casa-Estudio Carlos Relvas

Museu Carlos Relvas - Fachada principal

Carlos Relvas, personalidade multifacetada e que foi considerado um dos pioneiros da arte da fotografia em Portugal (quando era necessário estar quieto cerca de 15 minutos em frente da objectiva) construiu entre 1871 e 1875 uma casa para servir como espaço de trabalho e estúdio fotográfico.

Este magnifico espaço que serviu também como sua residência, quando abandonou a casa de família após desentendimentos com o filho, foi integralmente recuperado e re-abriu as portas ao público no passado mês de Abril. Recomenda-se vivamente a visita quer pelo edifício, quer pelo interessante filme com a história de Carlos Relvas contado pelo próprio, quer pelo espólio existente, quer ainda pela simpatia com que somos recebidos. De felicitar a Câmara Municipal da Golegã e o IPPAR pelo excelente trabalho efectuado na recuperação agora concluida.

Informações adicionais poderão ser obtidas junto da CM Golegã ou em site a ser apresentado em breve exclusivamente sobre o Museu.

Junto um pequeno texto retirado do jornal O Ribatejo após a sua reabertura ao público.

Depois de muitos anos votado ao abandono, a casa-estúdio do pioneiro da fotografia em Portugal abriu finalmente as portas como espaço museológico no passado dia 20 de Abril. A recuperação do edifício foi feita pelo Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR), num investimento que rondou os 2 milhões de euros. O Programa Operacional da Cultura financiou 72% da musealização do espaço, que custou cerca de 150 mil euros. A autarquia investiu no museu cerca de 250 mil euros e assumiu o arranjo exterior do grande jardim à volta do edifício, procurando mostrar a sua evolução através de imagens deixadas pelo próprio Relvas. No interior, os visitantes podem apreciar muitas fotografias recuperadas, máquinas, manuscritos, documentos e objectos pessoais de Carlos Relvas, algum mobiliário e outras obras de arte desta família aristocrática. Num anexo junto ao palácio, existe um pequeno bar e um laboratório moderno de fotografia. Do seu espólio, fazem parte 10 mil negativos em vidro e quase 2 mil provas originais em papel.

Carlos Augusto de Mascarenhas Relvas e Campos nasceu na Golegã, a 13 de Dezembro de 1838, filho de um rico lavrador da região, cuja fortuna lhe permitia viver abastadamente. A paixão pela fotografia foi adquirida já em adulto, durante as suas frequentes viagens de negócios à Europa. A sua casa-estúdio da Golegã - claramente original e vanguardista para a altura - foi construída com os recursos financeiros da sua fortuna pessoal. Foi aqui que Relvas se tornou num dos mais afamados fotógrafos amadores do mundo, no século XIX, reconhecido nos maiores certames internacionais da época; foi membro de várias sociedades de fotografia, e era inclusivamente consultado por vários fotógrafos e empresas estrangeiras sobre os desenvolvimentos de técnicas de revelação e lentes. Carlos Relvas morreu em 1894, num acidente de cavalo, curiosamente numa arte em que também tinha dado nas vistas como cavaleiro e toureiro amador.


Museu Carlos Relvas - Pormenor do estúdio - Arquitectura do FerroPormenor exterior do estúdio

Museu Carlos Relvas - Escadaria lateralPormenor da escadaria lateral

3 comentários:

M disse...

Magnífico! Tanto o Solar como o Estúdio são umas pequenas maravilhas.

take.it.isa disse...

Muito colonial, lindo!


Sublime a escadaria, o rendilhado

bart disse...

nice building!